Diet Blog


Sibutramina: amiga ou inimiga?
janeiro 1, 2008, 9:16 pm
Filed under: remédios | Tags: , , ,

Este post se mudou!

Clique no link abaixo para conferir:

Emagrecer sem sofrer

Anúncios


Prazer, meu nome é efeito sanfona
janeiro 1, 2008, 8:51 pm
Filed under: história | Tags: , , ,

Tenho compulsão por blogs. E tenho compulsão por comida.

A minha ÚNICA resolução para este novo ano é perder peso. São 30 quilos a mais que invadiram o meu corpo e não sei nem como. E pesar 85 quilos aos 27 anos não é fácil. Nada veste bem, e consequentemente a gente começa a se sentir um lixo. Pessoas que se sentem um lixo são mal humoradas, e consequentemente afastam as outras pessoas.

Sem mencionar a saúde. O sedentarismo me faz sentir dores musculares, cãimbras, ás vezes até um leve aperto no peito. Chega!

Não vou fazer nenhuma dieta milagrosa. Não posso passar fome, afinal trabalho, estudo, sou blogueira e mãe de dois meninos. E a partir da semana que vem, malhadora. PRECISO DE ENERGIA. Também não vou tomar nenhum medicamento. Na minha última dieta, tive o auxílio da sibutramina. Perdi 20 quilos, mas em compensação os reencontrei, acompanhados de mais dez. Ou seja, o peso voltou com tudo!

Não nasci gorda. Sempre comi de tudo e pesei 55 kgs. Porém, com a difícil vida adulta veio a ansiedade, e com ela a compulsão alimentar. Não sinto fome no estômago, sinto fome na boca. É vontade de mastigar, e compensar as frustrações do meu dia-a-dia com algo gostoso. Tipo “o meu dia foi uma merda, mereço comer um pote inteiro de sorvete de maracujá”. Chega! Vou comer apenas o suficiente. Pensar no corpo que eu tinha a dez anos atrás antes de cada crise de olho gordo.

Vou seguir as recomendações do meu endocrinologista e me reeducar, pela terceira e definitiva vez. Comer pequenas porções de alimentos saudáveis a cada duas horas. Malhar. E colher os frutos do meu esforço. Recaídas são inevitáveis. O importante é encarar como um tropeço, e não como o fim da dieta.

Aqui vou manter um diário da minha dieta. E compartilhar pensamentos. Sigam-me os bons!