Diet Blog


O japonezinho não ficou feliz essa semana
janeiro 30, 2008, 8:45 pm
Filed under: pesagem

Acabo de voltar da farmácia, e desta vez não tenho nada a comemorar. O peso ficou em 83,650kgs. Ou seja, ao invés de emagrecer, engordei 200 gramas essa semana.

E a culpa nem é do bar da redação, já que venho resistindo bravamente às tentações. A culpa é da maldita vida social (isso que eu nem fui no tal aniversário sábado) e da falta de horário.

O que eu aprendi com isso? Qualquer escorregadela influi diretamente na balança. Mas a sensação de frustração é grande, gurias. Me sinto mais fininha, algumas roupas eu já sinto um pouquinho mais folgadas, estava confiante. Agora estou aqui chorando. Sei que abusei, mas desde o final de semana a dieta anda impecável: não comi nada de engordante, vou todo dia para a academia, etc, etc, etc. Talvez o meu corpo tenha acostumado com a quantidade de calorias que vem recebendo. É hora de analisar cuidadosamente todos os meus “passos” na semana que passou e tentar melhorar daqui para a frente. Acho que vou procurar um nutricionista para montar um cardápio legal.
A boa notícia? A boa notícia é que eu não vou desistir! Viu, dona gordura? Aproveita teus últimos meses, que vou te mandar para o quinto dos infernos!

Anúncios


Acabou!
janeiro 29, 2008, 12:28 pm
Filed under: alimentação

Não, não acabou a dieta e nem o blog. O que acabou foram as minhas férias. E mais uma sucessão de obstáculos para a minha RA apareceu:

1) Horários – Este mês tem muita gente entrando de férias, de folga, de licença. Então cada dia estou trabalhando em um horário, e como sou uma pessoa hiper metódica, isto está pesando contra. Ontem, por exemplo, trabalhei até meia-noite. Dormi tarde, acordei tarde e hoje… nada de academia pela manhã. De tarde, vou ter apenas uma hora. Acho que vou optar só pela esteira, quero mais é gastar graxa. Vou ter que rever todo o meu treino, mas ok, dá para contornar.

2) Alimentação – Na redação onde eu trabalho tem um maldito bar, que é responsável por uma boa parte do meu peso. Ele fica a menos de DEZ PASSOS DA MINHA MESA. Então, quando chega pão de queijo quentinho, eu sinto o cheiro. Quando eu me levanto, vejo as tortas, os doces, os salgados. Claro que também tem fruta e iogurte, mas eles não chamam tanto a minha atenção. Estou resistindo bravamente, e tomando mais café para dar aquela tapeada, mas é tentação demais, viu?

O negócio é adaptar a RA a esta nova realidade. Ninguém disse que ia ser fácil, né? Enfim, até amanhã, quando espero de coração fazer um novo post Yataaaaaaaa!

Beijos!



Orgulho de ser gordo
janeiro 26, 2008, 8:28 pm
Filed under: gordura, obesidade

Ao contrário da gente, tem muita gente que usa blogs para celebrar a gordura. Li essa reportagem em algum lugar e resolvi trazê-la para cá, a título de curiosidade.

Blogueiros obesos estão na moda na “gordosfera”

Roni Caryn Rabin
The New York Times

Durante anos, especialistas em saúde vêm advertindo que os americanos estão gordos demais, que se exercitam pouco e comem demais, que nossa saúde está em risco.

Alguns gordos discordam.

Blogs escritos por gordos -e tudo bem usar a palavra, dizem eles- multiplicaram- se nos últimos meses, preenchendo um espaço virtual conhecido como gordosfera, onde os blogueiros pedem a aceitação da gordura e questionam quase tudo que a sabedoria médica convencional tem a dizer sobre a obesidade.

Blogs inteligentes, atrevidos e irreverentes, com nomes como Big Fat Deal e FatchicksRule e Fatgrrl (“Agora com 50% mais gordura!”) enfrentam o sentimento anti-obesidade. Eles celebram seus tamanhos grandes e pedem aos leitores para aceitarem seus corpos, que parem de fazer dieta e sigam com suas vidas.

A mensagem da gordosfera não é só que grande é bonito. Muitos dos blogueiros chamam de histeria a “epidemia de obesidade”. Eles argumentam que os americanos não são tão mais gordos do que eram e que ser gordo, por si só, não é necessariamente ruim para a pessoa.

Eles rejeitam uma crença central que muitos americanos prezam, inclusive os que estão acima do peso: que só o que o gordo precisa fazer para ser magro é se exercitar mais e comer menos.

“Um dos primeiros obstáculos para a aceitação da gordura é acabar com a questão de que ser gordo é uma escolha”, disse Kate Harding, fundadora do blog Shapely Prose, em entrevista. “Nenhum defensor do gordo está dizendo que você deve ficar sentado e exagerar na comida. O que estamos dizendo é que exercício e dieta equilibrada não tornam todos magros.”

Harding, 33, entusiasta de ioga de Chicago, promove a idéia de saúde em qualquer tamanho (ela veste 16). Ela começou o Shapely Prose (kateharding. net) em abril, depois de observar que as mensagens sobre o assunto em seu blog pessoal tocavam as pessoas. Desde então, rapidamente o Shapely Prose tornou-se um dos mais populares blogs que pregam a aceitação da gordura, com uma média de 3.710 visitas por dia, de acordo com o programa de estatísticas da Web Sitemeter.

As pessoas vêm em diferentes tamanhos e formas, dizem blogueiros como Harding, e, para os que vêm “X-Large”, fazer dieta é em vão. Muitos dos blogueiros chamam seus sites de “zonas livres de dieta”. (Nem mencione cirurgia para perda de peso.)

“Você tem uma recaída, então entre em dieta novamente. Desta vez você vai fazer, realmente vai ser desta vez”, disse Marianne Kirby, blogueira de 30 anos de Orlando, Flórida, que escreve o The Rotund (therotund.com). “E ainda não funciona, não no longo prazo -você termina mais pesado que antes. E diz para si mesmo: por que fui cair nessa de novo?”

Os blogs atraíram comentários negativos, até agressivos. Mas, para os leitores acima do peso, as mensagens dão força -e são libertadoras.

“Amiga, deixe-me dizer, finalmente estou me entendendo”, comentou uma fã do site da Harding. “Sempre serei gorda. Aceito isso agora.”

Harriet Brown, blogueira de 49 anos em Wisconsin e ocasional contribuidora do “The New York Times”, estimula os leitores a fazerem um voto de “eu amo meu corpo” (em harrietbrown. com), no qual prometem não se degradar, falando que “suas coxas são gordas” e chamando a si mesmos de “porcos gordos”.

O blog anônimo Fat Fu (fatfu.wrodpress. com) faz uma crítica impiedosa às pesquisas recentes, como o estudo de “amigos gordos”. Oferece também uma das listas mais amplas de links da gordosfera, inclusive comunidades on-line, modas e sites de saúde para gordos. O blog Big Fat Deal (bfdblog.com) sugere 10 formas de ser um “ativista da positividade do corpo”, inclusive “seja você mesmo”, “compreenda que muitas pessoas são idiotas cheias de ódio” e “não tenha medo de pedir um pedaço de torta”.

Muitos blogueiros são mulheres cujos textos têm um sabor claramente feminista, mas há blogueiros masculinos, como o Red No. 3 (red3.blogspot. com), que diz: “Você vê, não tenho problema com gordura. Meu corpo é simplesmente adornado, e aceito isso.”

Alguns especialistas, entretanto, dizem que esse tipo de mensagem é perigoso e mina os esforços de saúde pública para conter a obesidade. “Temos que ter cuidado para não colocar toda a culpa no indivíduo”, disse Walter C. Willett, professor de nutrição e epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública de Harvard. Mas, acrescentou, “a grande maioria das pessoas acima do peso está assim por causa do estilo de vida”.

Os blogueiros argumentam que mudanças na definição dos termos, junto com falhas na fórmula de índice de massa corporal, empurraram mais americanos para as categorias de “gordo” e “obeso”. Eles apontam para estudos provocativos sugerindo que pode haver benefícios para quem está acima do peso, inclusive um estudo amplo que revelou que americanos abaixo do peso têm maior probabilidade de morrer do que os que estão moderadamente acima do peso.

Vários outros estudos recentes sobre pacientes do coração e de diálise também registraram maiores índices de sobrevivência entre pacientes mais pesados, sugerindo que o elo entre tamanho do corpo e saúde pode ser mais complexo do que se admite geralmente. Outro estudo de pessoas acima de 60 revelou que estar em forma tem mais influência na longevidade do que simplesmente estar magro.

O principal argumento dos blogueiros é que ser gordo não é resultado de falha moral ou de caráter ou de gula, preguiça ou falta de força de vontade. As dietas sofrem de efeito bumerangue, dizem eles; de fato, numerosos estudos de longo prazo revelaram que apesar das pessoas que fazem dieta muitas vezes perderem peso no curto prazo, quase sempre recuperam os quilos perdidos nos anos seguintes.

Por fim, os blogueiros argumentam que ser magro pode ter mais a ver com sorte genética do que com escolhas de estilo de vida.

“Aceitamos que algumas pessoas são altas e outras baixas”, disse Rachel Richardson, 28, de Cincinnati, que escreve um blog chamado The F-Word (the-f-word.org). “Ainda assim parecemos pensar que todos deveriam ser magros -simplesmente não faz sentido.”

Os blogueiros alegam que a guerra contra a obesidade deu às pessoas uma desculpa para travar uma guerra contra os gordos, e que preocupações com saúde -aliadas à crença que os gordos só têm a si mesmos para culpar por serem gordos- estão simplesmente sendo usadas para justificar uma discriminação que não teria sido tolerada contra qualquer outro grupo de pessoas. “Não me surpreende que haja tantos desses blogs agora”, disse Richardson. “A histeria contra a obesidade alcançou um ponto de fervura. Escrever blogs é uma forma das pessoas lutarem.”



Brincadeira – Se minha vida fosse um filme…
janeiro 26, 2008, 12:44 pm
Filed under: brincadeira | Tags: , , , , ,

Ok, meninas. Começou o final de semana, não podemos descuidar da dieta, mas uma brincadeira para relaxar não faz mal a ninguém. Vi essa em alguns blogs, e fiquei com muita vontade de fazer, afinal amo música e adoro cinema. O esquema é o seguinte: a gente tem que colocar o nosso Ipod/ MP3 no modo aleatório e colocar as músicas que tocam nas cenas a seguir. Mas não vale a pena trapacear, não pode pular as músicas! Depois posta, faz os comentários e está pronta a trilha sonora da sua vida! Os nomes das minhas músicas têm links para vocês poderem ouvir o que não conhecem. Vamos lá, o filme da minha vida seria assim…

Créditos iniciais: House of the rising sun (Nina Simone) – Nada melhor que uma música que fala de um sol nascente para começar o filme. Mas atenção: a música é meio tristinha. Eu também sou melancólica às vezes, mas meu filme não pode ser um drama! Não combina comigo!

Cena em que Acorda: The Drug’s Don’t Work (Ben Harper) – Apesar do título meio punk, é uma música boa para acordar mesmo. Ainda mais depois dos créditos iniciais!

Primeiro dia na escola: My Hero (Foo Fighters) – Uau! Música ótima, daquelas que anima. A época de colégio teria sido melhor com uma trilha sonora dessas!

Primeiro amor: Reasons (Earth, Wind & Fire) – Hahahahaha! Primeira música romântica que aparece vem logo na cena do meu primeiro amor! Globo e você, tudo a ver!

Cena de luta: Ob-La-Di, Ob-La-Da (The Beatles) – Só se fosse uma luta tipo pastelão, com muita torta na cara e tal… mas amo essa música, ela cai bem no meu filme!

Fim de Relacionamento: Feeling the same way (Norah Jones) – Perfeito! Para um final de relacionamento, nada melhor que a velha Norah! Melhor ainda que eu ia me sentir do mesmo jeito, o final do relacionamento pelo visto não ia me afetar em nada!

Festa de Formatura: Where you Lead (Carole King) – Muito legal! Gostaria de me formar ao som da música tema de Gilmore Girls!

Dia-a-dia: Everywhere (Michelle Branch) – Essa eu não gosto muito, mas ok, é uma boa música para o dia-a-dia.

Colapso Mental: Accidentaly in Love (Counting Crows) – Hmmm, só se eu enlouquecesse de amor. O que, me conhecendo como me conheço, é pouco provável. 

Dirigindo: Angel (Sarah McLachlan) – Linda música, da trilha de cidade dos anjos. Até me vi dirigindo ouvindo isso depois de um dia estressante de trabalho. 

Flashback: Cheated Hearts (Yeah Yeah Yeahs) – Muito boa! Esse passado foi bom, hein? 

Casamento: Where does the good go (Tegan & Sarah) – Não sei se é uma música muito apropriada para um casamento, mas… é da trilha de Grey’s Anatomy, uma das minhas séries favoritas. 

Nascimento do filho: Help Me  (Joni Mitchell) – Certo, quando a gente tem um filho precisa de ajuda mesmo. Música mais do que apropriada.

Batalha Final: The KKK took my baby away (Ramones) – Perfeito! Até me vejo aqui lutando contra os monstros da Klu Klux Klan! Relho neles!

Cena de morte: Life’s a bitch (London Rain) – hahahhahaha Não podia ser mais perfeito para o momento da morte de alguém, né?

Música de funeral: Ruby (Kaiser Chiefs) – Até imagino todo mundo cantando e dançando no meu velório… 

Créditos Finais: It Takes Two (Tina Turner & Rod Stewart) – O filme termina mais com a minha cara do que começou. Música animada para terminar uma história que seria animada, com certeza!

Acho que ficou boa a trilha, não? Assim como eu, bem eclética! Agora convido as amigas blogueiras que passarem por aqui a fazer o mesmo! Depois mandem os links para que eu possa curtir a trilha de vocês!



Vida social – sim ou não?
janeiro 25, 2008, 2:54 pm
Filed under: história

Ai, gente, as coisas estão difíceis para a minha RA essa semana. Mas eu estou muito feliz. Vocês sabem como é essa época: todo mundo de férias, viajando, coisa e tal. Minha vida social estava reduzida a nada. Era de casa para a academia, da academia para casa. Mas janeiro está chegando ao fim e todo mundo resolveu se reunir.

Na quarta-feira, depois da minha pesagem, recebi uma ligação de uma colega de trabalho convidando para um churrasco do pessoal. Eu tinha apenas duas opções: ir ou não ir. Se fosse, ia rever meus amigos, dar risadas, e beber cerveja. Se ficasse em casa, ia ficar deitada na frente da televisão. Não preciso nem dizer o que escolhi? Fiquei com as incontáveis calorias da cerveja. Não sei quanto a vocês, mas ficar vendo o pessoal beber não é uma opção para mim. E lá fui eu, e foi muito legal. Azar do goleiro!

Na quinta, os meus colegas da faculdade também resolveram se reencontrar. Coisa simples: a programação era ir para o salão de festas de uma das meninas e comer cachorrinho-quente e beber refri. Desta vez, mandei um e-mail e falei: “desculpa, pessoal, estou de dieta e não vou”. Aí começou aquele movimento popular para que eu fosse… e fui, né? Cheguei lá e tive uma surpresa muito gostosa: compraram tudo light! Refri light, até o molho de tomate era light! Só o pão que não, mas aí eu dependia do meu auto-controle. Que eu não tenho muito, mas enfim…

Sábado agora tem o aniversário de uma amigona minha. Vamos sair para dançar. E festa, dança, rock n’ roll, aquela coisa, pede o quê? Bebida! Já estou me preparando psicológicamente para mais uma provação.

Tudo isso foi para contar a vocês que eu escolhi dizer SIM para a minha vida social. Não adianta ficar em casa comendo alface, não sou feliz desse jeito. Sou libriana, sociável, e um dos maiores prazeres que tenho na vida é sentar em uma mesa de bar com as pessoas que eu gosto e filosofar sobre a vida. Gosto de falar besteira e dar gargalhadas. Sei que nestas ocasiões vou acabar consumindo muito mais calorias do que deveria, mas vou compensar isso de outras formas.

Nesta quinta e sexta me acabei na esteira, caminhei muito e optei por apenas uma salada no almoço e muitos líquidos durante o dia. Dessa maneira “compenso” os excessos e ainda meio que desintoxico o meu organismo. Como minha meta não é perder 30 quilos de um dia para o outro, acho que posso me dar esse luxo. Pois tenho certeza que no momento que a dieta se tornar um sacrifício para mim, ela acaba. Minha força de vontade tem limites, como estou descobrindo a cada dia.

Acho que o grande segredo é esse: cada uma de nós tem que descobrir seus limites. O que funciona para um, talvez não funcione para outro.

Bom final de semana!



Yataaaaaaaa – parte II
janeiro 23, 2008, 9:21 pm
Filed under: pesagem

YATAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!

Tal qual uma alcoólatra em recuperação, o meu emagrecimento está acontecendo a passos lentos, um de cada vez. Acho que assim é saudável, não estou fazendo grandes sacrifícios, e antes do final do ano devo estar próxima de atingir minha meta.

Enfim, enrolations a parte, acabo de chegar da farmácia onde sempre me peso… e tchan tchan tchan…

MENOS 1,5 KG!

Estou bem feliz, vendo o resultado do meu esforço (e da falta dele) na balança. Só fiquei pensando: e se eu não tivesse ido para a praia, e se eu não tivesse comido lasanha? A perda de peso seria maior, certamente.

Obs: para quem reconheceu o japonês da foto e gosta de séries de tv, não deixem de conhecer o meu outro blog. O link está naquela tv piscante aqui na barra lateral!



O desânimo me pegou… =(
janeiro 22, 2008, 7:18 pm
Filed under: gordura, história

Ai amigas, agora é a hora do desabafo. Vocês já devem estar cheias de entrar aqui e só ouvir lamentações, mas é assim que as coisas são. Hoje dei DUAS belas escorregadas, e para ser franca, estou bem desanimada. Parece que minha meta é uma coisa inalcançável, sabe? Parece que estou remando contra a maré, e não vou chegar nunca na beira da praia.

Fui para a academia bonitinha, malhei legal. Aí na hora do almoço eu estava sozinha em casa, não tinha nada de verdura nem legume e me bateu uma preguiça enorme. Resultado: fui no mercadinho aqui do lado de casa e comprei uma LASANHA CONGELADA. Cabecinha fraca eu, não? Então, ia comer metade da lasanha. Mas estava tão gostosa (lasanha à pizzaiolo da Batavo, não experimentem) que comi a porcaria inteira! Umas mil calorias, no mínimo. Não contente, acompanhei a lasanha com Coca-Cola zero, sendo que eu não bebia refrigerante há dias. Gastei mais três reais e me enchi de gases por preguiça de misturar Clight na água, pode?

Enfim, aí fui no super comprar as benditas frutas e legumes. Mas passei pela padaria, e fiz mais uma bobagem: comprei um pedacinho de uma torta de bombom. Foi um pedacinho bem pequenino, mas eu podia passar sem essa, né?

Aí resolvi que ia pintar mais uma peça da minha casa para gastar mais umas calorias. Ao invés disso, o quê que eu fiz???? Dormi, até agora!

Pois é, hoje eu resolvi sabotar a mim mesma. Resolvi sabotar a minha dieta, a minha saúde, a minha aparência, o meu esforço. Porquê isso? Sinceramente não sei! TPM talvez?

Amanhã vou me pesar e ver o tamanho do estrago. Que a força esteja comigo.

Enfim, vocês já passaram por isso? Já tiveram esses momentos “foda-se a dieta”?